Campanha, investimentos e capacitação: transplantes devem crescer até 20%

Campanha, investimentos e capacitação: transplantes devem crescer até 20%

Categoria:

Compartilhar:

Campanha, investimentos e capacitação: transplantes devem crescer até 20%

Ministério da Saúde lança campanha nacional de incentivo à doação de órgãos e tecidos e anuncia pacote de melhorias para o setor no valor de R$ 76 milhões

Com o slogan “Seja um doador de órgãos e só assim serei feliz, bem feliz”, o Ministério da Saúde lançou, na segunda-feira (27/09) – data em que é comemorado o Dia Nacional do Doador de Órgãos e Tecidos – uma ampla campanha de mídia para sensibilizar a sociedade sobre a importância da doação. Além da apresentação da campanha, a ministra interina da Saúde, Márcia Bassit, e o secretário de Atenção à Saúde do ministério, Alberto Beltrame, assinaram portarias no valor de R$ 76 milhões que, juntamente com a mobilização social e a capacitação de profissionais do setor, deverão resultar no crescimento entre 15% e 20% da quantidade de transplantes realizados no Sistema Único de Saúde (SUS).

A campanha de utilidade pública lançada hoje será veiculada em rádio, televisão, veículos impressos e na internet até o próximo dia 6. Depois disso, parceiros do Ministério da Saúde vão continuar a transmissão das peças publicitárias, voltadas à sensibilização dos doadores e dos familiares deles. Em caso de morte cerebral, cabe à família do doador autorizar a retirada de órgãos e tecidos para transplantes.

“Temos obtido grandes avanços em relação a este tipo de procedimento no SUS, responsável pela realização de aproximadamente 95% dos transplantes no país”, afirmou o secretário Alberto Beltrame. “Com a campanha, as medidas anunciadas hoje e a melhoria das notificações, esperamos alcançar resultados ainda melhores”, completou o secretário.

O número de transplantes realizados no país apresenta crescimento sustentado nos últimos. Enquanto em 2003 foram realizados 12.722 procedimentos, em 2009 o Brasil contabilizou 20.253 cirurgias desse tipo – um aumento de 59,2%.

Só no primeiro semestre deste ano, o número de transplantes de órgãos sólidos (coração, fígado, rim, pâncreas e pulmão) chegou a 2.367. A quantidade é 16,4% maior que o número de procedimentos realizados no mesmo período do ano passado (2.033 transplantes). “Resultados como esses mostram que temos dado respostas imediatas à população a partir do constante aprimoramento do Sistema (Nacional de Transplantes)”, destacou Márcia Bassit.

INVESTIMENTOS – As portarias assinadas nesta segunda-feira representam um conjunto de melhorias para o setor de transplantes. Elas incluem a recomposição da tabela de alguns procedimentos e exames; melhoria na infra-estrutura do sistema, com a criação de 80 novos leitos para transplante de medula óssea; implementação de dez centros multitecidos para transplante de córnea, ossos e pele; e investimentos na capacitação dos profissionais que atuam no setor.

Reajustes – Uma das portarias reajusta os procedimentos de transplantes de córneas, coração, fígado (doador vivo e falecido), pâncreas, pulmão, rim (doador vivo e falecido) e transplante simultâneo de rim-pâncreas. A medida tem o objetivo de melhor valorizar os profissionais de saúde e incentivar a realização dessas modalidades de transplantes no SUS.
 
“O Ministério da Saúde pretende aprimorar as condições de trabalho, sensibilizando os médicos, principalmente aqueles de UTI, e criando condições mais favoráveis para que os hospitais mobilizem adequadamente os profissionais para a rápida confirmação dos óbitos”, explica Alberto Beltrame. Também será incluído um novo procedimento para unificar o valor dos exames complementares de diagnóstico de morte encefálica. O investimento previsto nesta portaria é de R$ 30 milhões ao ano.

Medula óssea – Outra portaria – com investimento de R$ 16 milhões – prevê a ampliação de centros de transplantes de medula óssea, o que refletirá na instalação de 80 novos leitos para a realização das cirurgias, divididos em módulos de cinco leitos por centro. A medida é resultado do sucesso do Registro Nacional de Doadores de Medula Óssea (Redome), que cada vez mais tem identificado doadores nacionais de medula óssea.

Atualmente, o Brasil registra a marca de 1,7 milhão de doadores de medula óssea, tornando-se o terceiro maior banco de dados do gênero no mundo (fica atrás apenas dos registros nos Estados Unidos/5 milhões de doadores e na Alemanha/3 milhões de doadores). De 12 mil doadores em 2000, o Redome evoluiu para mais de 1,7 milhão de doadores inscritos este ano. A chance de se encontrar um doador compatível fora da família (não-aparentado) é de uma em 100 mil.

Multitecidos – O Ministério da Saúde está investindo, ainda, R$ 20 milhões no Plano Nacional de Implantação de Bancos de Multitecidos. Eles serão instalados em dez estados (que apresentam taxa de doação igual ou maior à média nacional) para a realização de transplantes de córnea, pele e osso por hospitais de ensino públicos.

Qualificação – O aperfeiçoamento do Sistema Nacional de Transplantes (SNT) depende da adequação da capacitação dos profissionais que atuam no SNT. Por isso, o Ministério da Saúde lançou, nesta segunda-feira, o Programa Nacional de Qualificação para Doação e Transplantes de Órgãos e Tecidos (Qualidott).

A meta é promover qualificação de aproximadamente 1,2 mil profissionais de saúde em todo o país – incluindo médicos, enfermeiros, psicólogos e assistentes sociais – com a oferta de 150 bolsas de ensino. O investimento inicial nessa ação – que contará com parcerias entre o ministério, hospitais de excelência e universidades – é de R$ 10 milhões.

Entre as medidas previstas no Qualidott está a realização de cursos gratuitos – presenciais e a distância. Os temas vão desde avaliação do doador e o diagnóstico da morte cerebral até entrevista com familiares e retirada dos órgãos que serão usados no transplante.

A distribuição dos cursos atenderá a todo o país. Um dos principais objetivos do Qualidott é atenuar as diferenças regionais em relação à qualificação de profissionais e à realização de transplantes pelo Sistema Único de Saúde.

Transplantes realizados por ano

ANO
TOTAL DE TRANSPLANTES REALIZADOS (órgãos sólidos, córnea e medula)
2003
12.722
2004
14.175
2005
15.570
2006
15.788
2007
17.428
2008
18.989
2009
20.253

 

Número de transplantes por órgão (doador falecido) – primeiros semestres

ÓRGÂOS SÓLIDOS
2008
2009
2010
Coração
98
100
99
Fígado
492
605
663
Pulmão
26
25
34
Rim
994
1224
1486
Pâncreas
22
32
Rim/Pâncreas
78
57
53
TOTAL
1.688
2.033
2.367

 

Fonte:

Confira outras notícias

thumb site

AMRIGS celebra formatura de novos especialistas do Hospital São Lucas da PUCRS

Em um momento repleto de emoções e conquistas, a Associação Médica do Rio Grande do Sul (AMRIGS) participou da cerimônia de formatura dos residentes do Hospital São Lucas da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), realizada no Salão de Atos no dia 22 de fevereiro. O pres...
thumb site

Hospital Ernesto Dornelles forma 29 residentes em 12 especialidades médicas

A noite de quarta-feira, dia 21 de fevereiro, foi marcada pela formatura de mais uma turma do Programa de Residência Médica do Hospital Ernesto Dornelles, parceiro da Prova AMB/AMRIGS, aplicada anualmente. A cerimônia, que aconteceu no Clube Sogipa em Porto Alegre, contou com a presença do presid...
WhatsApp Image 2024-02-20 at 11.34.45 AM

Crescimento da Prova AMB/AMRIGS é pauta em reunião com AMB e federadas brasileiras

Na noite do dia 19 de fevereiro, representantes da Associação Médica do Rio Grande do Sul (AMRIGS), da Associação Médica Brasileira (AMB) e das federadas dos estados do Ceará (CE), Pará (PA), Pernambuco (PE), Rio de Janeiro (RJ), Santa Catarina (SC) e Maranhão (MA) reuniram-se de forma híbrida pa...
plugins premium WordPress