Entenda as mudanças do calendário de vacinação

Entenda as mudanças do calendário de vacinação

Categoria:

Compartilhar:

Entenda as mudanças do calendário de vacinação

Com o objetivo de otimizar a cobertura vacinal no Brasil e atender melhor a população, o Ministério da Saúde alterou doses de reforço para vacinas infantis contra meningite e pneumonia, além do esquema vacinal da poliomielite e o número e doses da vacina de HPV, que não será mais necessária a terceira dose. Os postos de saúde de todo o país já estão com novo calendário de vacinação para 2016.
Confira as mudanças do calendário:
As mudanças são rotineiras e seguem os avanços dos estudos relacionados à imunização. “O Ministério da Saúde avalia constantemente os estudos que acontecem após a liberação das vacinas. Quando há a liberação pela Anvisa, os estudos são feitos com grupos menores, com cerca de 20 a 30 mil pessoas. Então, os laboratórios estabelecem um esquema rígido para garantir a eficácia da vacina. A medida em que a vacina é introduzida nos programas de imunização e há um grande quantitativo de pessoas, os pesquisadores começam a acompanhar o comportamento na população em geral. Assim avalia-se se as doses iniciais eram suficientes, se há necessidade de um reforço adicional ou se inclusive pode-se diminuir o número de vacinas com a mesma eficácia”, explica Carla Domingues, Coordenadora do Programa Nacional de Imunização(PNI).
Carla Domingues explica que a mudança no esquema vacinal da poliomielite substituindo uma dose oral por uma injetável aconteceu pela composição de cada tipo. “A vacina injetável usa o vírus inativado e a vacina oral usa o vírus atenuado. A vacina oral ainda é utilizada, pois quando vacinamos um grande número de crianças, a criança imunizada tem a possibilidade de expelir a vacina no ambiente. E quando um grande número de crianças vacinadas ao mesmo tempo cria um fenômeno chamado de vacinação de rebanho. Se 95% crianças foram vacinas, 5% que não foram podem ser imunizadas pela a vacina está circulando no meio ambiente”.
VACINAS “ Atualmente, o Programa Nacional de Imunizações (PNI) distribui cerca de 300 milhões de imunobiológicos anualmente, dentre vacinas e soros, além de oferecer à população todas as vacinas recomendadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS) no Calendário Nacional de Vacinação.
É importante destacar que, nos últimos cinco anos, o orçamento do PNI cresceu mais de 140%, passando de R$ 1,2 bilhão, em 2010, para R$ 2,9 bilhões, em 2015. Além disso, os contratos do Ministério da Saúde com os laboratórios produtores de vacinas estão em andamento e os pagamentos em dia.

Confira outras notícias

thumb site

AMRIGS celebra formatura de novos especialistas do Hospital São Lucas da PUCRS

Em um momento repleto de emoções e conquistas, a Associação Médica do Rio Grande do Sul (AMRIGS) participou da cerimônia de formatura dos residentes do Hospital São Lucas da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), realizada no Salão de Atos no dia 22 de fevereiro. O pres...
thumb site

Hospital Ernesto Dornelles forma 29 residentes em 12 especialidades médicas

A noite de quarta-feira, dia 21 de fevereiro, foi marcada pela formatura de mais uma turma do Programa de Residência Médica do Hospital Ernesto Dornelles, parceiro da Prova AMB/AMRIGS, aplicada anualmente. A cerimônia, que aconteceu no Clube Sogipa em Porto Alegre, contou com a presença do presid...
WhatsApp Image 2024-02-20 at 11.34.45 AM

Crescimento da Prova AMB/AMRIGS é pauta em reunião com AMB e federadas brasileiras

Na noite do dia 19 de fevereiro, representantes da Associação Médica do Rio Grande do Sul (AMRIGS), da Associação Médica Brasileira (AMB) e das federadas dos estados do Ceará (CE), Pará (PA), Pernambuco (PE), Rio de Janeiro (RJ), Santa Catarina (SC) e Maranhão (MA) reuniram-se de forma híbrida pa...
plugins premium WordPress