Guia vai orientar pais soropositivos que querem engravidar

Guia vai orientar pais soropositivos que querem engravidar

Categoria:

Compartilhar:

Guia vai orientar pais soropositivos que querem engravidar

A proposta é reduzir os riscos de transmissão sexual do HIV ao parceiro. As tecnologias atualmente disponíveis, e recomendadas no Brasil, são capazes de reduzir o risco de transmissão vertical (de mãe para filho) para menos de 1%.

O que fazer quando se quer ter filho e o casal ou um dos parceiros tem o vírus da aids” No Brasil, aproximadamente 80% das pessoas com aids se encontram na faixa etária reprodutiva. Aqui, o acesso universal ao tratamento contra o vírus HIV aumentou a expectativa de vida dos soropositivos, e, com isso, a vontade deles de formar uma família. Entre 2008 e 2009, cerca de 6 mil mulheres que sabidamente viviam com HIV engravidaram. Para o fortalecimento dos direitos sexuais e reprodutivos das pessoas que vivem com HIV no Brasil, o Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais lança as “Estratégias de Redução de Risco de Transmissão Sexual do HIV no Planejamento da Reprodução para Pessoas que Vivem e Convivem com HIV ou Aids”, parte do suplemento ao Consenso de Adultos 2008. A publicação vai orientar profissionais de saúde sobre como tratar do assunto com casais soroconcordantes (quando ambos têm HIV) ou sorodiscordantes (quando um apenas é positivo para HIV) que desejam engravidar. A proposta é reduzir os riscos de transmissão sexual do HIV ao parceiro e evitar novas infecções, incluindo as hepatites virais. As tecnologias atualmente disponíveis e recomendadas no Brasil são capazes de reduzir o risco de transmissão vertical (de mãe para filho) para menos de 1%.

De acordo com as novas recomendações, as equipes de saúde terão que estar preparadas para discutir o assunto com as pessoas que vivem com HIV/aids. Uma vez havendo desejo de paternidade ou maternidade, é necessário estabelecer um planejamento conjunto. Para aqueles casais que desejam ter filhos pelos métodos naturais, é importante não ter infecções genitais (como, por exemplo, DST), apresentar estabilidade imunológica, boa adesão ao tratamento e carga viral indetectável. Os procedimentos que também podem reduzir a transmissão do HIV são os de reprodução assistida, lavagem de esperma e inseminação artificial. Entretanto, qualquer método adotado deve ter o acompanhamento da equipe de saúde.

Recomendações – O texto do guia foi discutido e elaborado com base em evidências científicas disponíveis pelo Ministério da Saúde com os Comitês de Terapia Antirretroviral para Adultos e Terapia Antirretroviral para Gestantes Infectadas pelo HIV. Os dois comitês são formados por especialistas de todo o Brasil, representantes da sociedade civil, pesquisadores e gestores de DST e aids.

Além de distribuir a publicação nos Serviços de Atendimento Especializados (SAES), o Departamento vai capacitar profissionais de saúde para atender casais que desejam ter filhos.

Com o guia, a intenção do Ministério é fazer com que a gravidez entre pessoas que vivem e convivem com HIV e aids aconteça com o máximo de segurança possível, tanto para os pais, quanto para o bebê.

Profissionais do SUS vão poder medicar pessoas que tiveram relação sexual sem proteção, após uma avaliação criteriosa

Pessoas que, por acidente, tiveram relação sexual desprotegida e tem dúvida se o parceiro tem ou não o vírus da aids, agora, vão poder tomar medicamentos para prevenir a transmissão da doença pelo SUS. Mas esse procedimento terá que seguir uma série de recomendações do Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais. Nessa publicação, os profissionais de saúde do SUS serão orientados sobre como agir em cada caso. O documento atualiza procedimentos terapêuticos indicando quando e como prescrever o uso de antirretrovirais em situações como, por exemplo, quando a camisinha se rompe ou sai durante a relação e um dos parceiros não sabe se tem ou não o vírus da aids. O principal objetivo dessas recomendações é diminuir o risco de transmissão do vírus em casos excepcionais. O procedimento não é indicado em casos de recorrentes relações desprotegidas.

Para receber os medicamentos, a pessoa exposta deve procurar os Serviços de Atendimento Especializado (SAE) ou aqueles serviços que já atendem situações de urgência (como nos casos de acidente ocupacional ou de violência sexual). Essa busca pelo atendimento deve ocorrer, preferencialmente, nas primeiras duas horas após a relação sexual desprotegida e, no máximo, em até 72 horas. “É importante ressaltar, no entanto, que a estratégia do Departamento é sempre incentivar o uso da camisinha como forma de prevenir a infecção pelo HIV”, reforça o diretor adjunto do Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais, Eduardo Barbosa. “Aqui apresentamos recomendações para médicos, considerando as situações excepcionais”, complementa.

Ao receber o coquetel pós-exposição, a pessoa é orientada sobre os objetivos da utilização dos medicamentos, os possíveis efeitos adversos e a importância dos medicamentos. O consenso reforça, para o profissional de saúde, a relevância de uma atitude acolhedora e sem julgamento no atendimento. Além de propiciar formação do vínculo, a estratégia favorece a adesão às medidas recomendadas, especialmente as preventivas. A oferta do teste de aids faz parte do procedimento, que deve ser informado ao paciente. O exame deve ser feito 30 dias depois da situação de risco.

Pós-exposição sexual ao HIV em caso de violência

A aids é uma preocupação recorrente para os profissionais de saúde que atendem vítimas de violência sexual. Nesses casos, a principal atualização do suplemento refere-se a esquemas de tratamento terapêuticos mais cômodos para a vítima. O objetivo é propiciar que a pessoa conclua a terapia indicada de forma menos traumática. A profilaxia com antirretrovirais nas situações de violência segue os mesmos princípios adotados nos casos de exposição sexual consciente.

Confira outras notícias

thumb site

DU AMRIGS marca presença na recepção de calouros da Universidade Franciscana em Santa M...

A recepção dos alunos do primeiro semestre de Medicina da Universidade Franciscana (UFN) em Santa Maria, que marcou o início da jornada acadêmica dos novos estudantes, contou com a presença da Associação Médica do Rio Grande do Sul (AMRIGS) e do seu Departamento Universitário (DU), representado p...
240223_CristineRochol_Formatura_SMS-0326

Cerimônia de formatura dos residentes do Hospital de Pronto Socorro de Porto Alegre cel...

Na última sexta-feira, 23 de fevereiro, a Associação Médica do Rio Grande do Sul (AMRIGS) sediou a cerimônia de formatura dos residentes do Hospital de Pronto Socorro de Porto Alegre (HPS-POA). O momento marcou a conclusão de uma importante etapa na jornada acadêmica e profissional na residência ...
Thumb Site

Preciso fazer minha primeira declaração de imposto de renda em 2024. E agora?

Dúvidas sobre como declarar corretamente o Imposto de Renda afligem até mesmo os contribuintes mais experientes. Quem vai fazer a declaração pela primeira vez precisa ter atenção redobrada para evitar os erros que fazem o contribuinte cair na malha fina da Receita Federal. Os estreantes precisam ...
plugins premium WordPress