Notícias

18/04/2019 - Centro de Documentação AMRIGS restaura obra rara da história da Medicina



Considerada uma obra rara, o Panteão Médico Riograndense faz uma síntese da história e evolução da Medicina no Rio Grande do Sul. Publicado em 1943, sua primeira edição teve uma tiragem de apenas 600 exemplares. Numeradas de 1 a 600, a Associação Médica do Rio Grande do Sul (AMRIGS) obtém a cópia de número 66.



O Centro de Documentação da AMRIGS, formado pelos historiadores Gerti Rutsatz Piantá, João Gabriel Toledo Medeiros e Mateus Franzen Rocio, realizou o processo de restauração da obra durante os meses de março e abril deste ano, em parceria com Vera Zugno, bacharel e licenciada em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), e sob tutela do presidente da AMRIGS, Dr. Alfredo Floro Cantalice Neto. “É um livro ótimo para pesquisa sobre a história da Medicina”, relata Gerti.

Segundo os historiadores, o primeiro passo da restauração é efetuar uma análise com uma ficha de avaliação do documento. A continuidade do processo depende da folha e da gramatura do registro. A higienização das folhas é feita com borracha, folha por folha.

Uma nova versão do Panteão foi organizada e publicada pelo Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (SIMERS), com o apoio da AMRIGS, em 2018.  

Fonte: Ana Carolina Lopes/AMRIGS

Foto: Ascom AMRIGS



Todas Notícias