Notícias

16/07/2019 - Cerca de 1,7 milhão de pessoas foram infectadas pelo HIV em 2018BR



A Atualização Global sobre a Aids “Comunidades no centro”, revela que essa queda foi impulsionada principalmente pelo progresso constante na maior parte do leste e sul da África.

Novo relatório revela que tem desacelerado o progresso na redução de novas infecções pelo HIV, que promoveria um aumento do acesso ao tratamento e o fim das mortes relacionadas à doença.

Mortes
O novo relatório revela que tem desacelerado o progresso na redução de novas infecções pelo HIV, que promoveria um aumento do acesso ao tratamento e o fim das mortes relacionadas à doença.

O estudo lançado em Genebra, na Suíça, e em Eshowe, na África do Sul aponta que enquanto alguns países fazem ganhos impressionantes, outros observam o aumento de novas infecções pelo vírus e mortes relacionadas à Aids.

Lusófonos
Em relação aos países de língua portuguesa, Angola é um dos sete Estados onde o número de infeções aumentou em crianças.

O estudo inclui avanços em relação à meta 90/90/90, que consiste em ter, até 2020, 90% das pessoas com HIV devidamente diagnosticadas, 90% realizando o tratamento com antirretrovirais e, deste grupo, 90% com carga viral indetectável

No primeiro indicador, Brasil Cabo Verde e Portugal cumpriram ou estão a caminho de cumprir a meta. Os dois últimos países também estão em vias de alcançar o segundo parâmetro.

Já o Brasil é o único país em vias de cumprir o objetivo de alcançar 90% de pessoas com carga viral indetectável, o que indica o sucesso do método terapêutico aplicado.

A Guiné-Bissau é mencionada no estudo pelo alto número de mulheres que vivem com deficiência com maior probabilidade de serem soropositivas do que os homens na mesma situação.

Já Moçambique é mencionado pelo sucesso na ação baseada na comunidade, que pode resultar na garantia de direitos à saúde em um país de baixa renda com uma das maiores epidemias de HIV do mundo e vários desafios de saúde pública.

Os recentes ciclones e o efeito no sistema de saúde em Moçambique são mencionados no relatório, que aponta pressões como pobreza extrema, acesso desigual, escassez e fraca presença de provedores de serviços de saúde.


O Unaids estima que, a nível mundial, apenas metade dos bebés que são expostos ao HIV durante a gravidez da mãe são testados antes das oito semanas de idade.


Populações
O documento mostra que os grupos populacionais-chave e seus parceiros sexuais representam agora 54% das novas infecções pelo HIV no mundo. Nesse grupo, estão pessoas que injetam drogas, homens gays e outros homens que fazem sexo com homens, transexuais, profissionais do sexo e prisioneiros

Em 2018, nessas chamadas populações-chave ocorreram cerca de 95% das novas infecções e as regiões que precisavam de maior atenção eram Europa Oriental e Central, Oriente Médio e Norte da África.

Populações-chave
O estudo revela ainda que menos de 50% das populações-chave foram atingidas com serviços combinados de prevenção do HIV, em mais da metade dos países que relataram. Isso destaca que elas estão sendo marginalizadas e deixadas para trás na resposta ao HIV.

Na África oriental e meridional, as áreas mais afetada pelo HIV, tem havido um aumento preocupante em novas infecções. Na Europa Oriental e Ásia Central a média é 29%, no Oriente Médio e no norte de África 10% e na América Latina 7%.

No estudo, a diretora executiva do Unaids destaca que é preciso maior liderança política de forma urgente para acabar com a Aids. Para Gunilla Carlsson, “isso começa com um investimento adequado, inteligente e observando o que torna alguns países tão bem-sucedidos”.

Ela disse ainda que “acabar com a Aids é possível com foco em pessoas, não em doenças”. Suas propostas são criar roteiros para as pessoas e locais que estão sendo deixados para trás e adotar uma abordagem baseada em direitos humanos para alcançar as pessoas mais afetadas pelo HIV .

Fonte: ONU News
Foto: Unicef/ Frank Dejongh



Todas Notícias