Notícias

07/07/2020 - AMRIGS alerta para alto risco caso haja desabastecimento de medicação para COVID-19



Em nota informativa da Secretaria de Saúde do Estado do Rio Grande do Sul, o governo gaúcho determinou entre outras medidas a definição de conduta de racionalização do uso de estoques disponíveis

A escassez ocorre em razão do avanço da pandemia. Pacientes com a COVID-19 costumam ficar mais dias internados do que a média em UTIs. O relato de hospitais é de baixa nos estoques. Por conta desse sinal de alerta, devem ser suspensas cirurgias e procedimentos eletivos que utilizem medicamentos do “kit entubação” para sedação dos pacientes. A medida vale para casos nos quais não há um risco real para saúde do paciente.

"A medida é válida e é importante que se olhe com muita atenção para esta questão. Não adianta nada ter respiradores e leitos se não houver medicação para sedação", afirma o diretor de comunicação da AMRIGS, Juliano Chibiaque.

O Conselho Regional de Medicina do Rio Grande do Sul (Cremers) acionou o Ministério Público Federal (MPF), por meio de ofício encaminhado na última sexta-feira (03/07). No documento, o Conselho solicita intervenção junto ao Ministério da Saúde (MS) para que sejam adotadas medidas para regularização do fornecimento de medicamentos para sedação e anestesia de pacientes em ambiente hospitalar. A indisponibilidade de insumos foi identificada nas redes pública e privada, causando o fechamento de leitos de UTI em vários municípios, situação agravada pelo aumento dos preços de forma desproporcional. O desabastecimento não ocorre somente no Rio Grande do Sul, mas também em outros estados. No ofício enviado ao MPF, o Cremers solicita que as autoridades públicas e as empresas adotem medidas urgentes para regularização do fornecimento dos medicamentos, bem como elaborem planejamento que garanta o abastecimento desses produtos nos hospitais de referência, com a finalidade de não colocar em risco a atividade médica e a vida dos pacientes.

Segundo o site oficial da Secretaria da Saúde do RS, O Ministério da Saúde acenou com uma compra emergencial no mercado nacional, e até mesmo internacional em parceria com a OPAS, para abastecer os Estados. Há notícias de que alguns Estados já começaram a receber lotes de medicamentos e a SES acredita que o RS será contemplado em breve.

Texto: Marcelo Matusiak

Foto: Freepik



Todas Notícias