Notícias

15/04/2021 - NOTA OFICIAL AMRIGS - 15/04/21: VOLTA ÀS AULAS NO RIO GRANDE DO SUL



A Associação Médica do Rio Grande do Sul entende que é de fundamental importância a retomada das aulas presenciais em nosso Estado. Queremos, com este documento, reforçar nossa preocupação e alertar acerca das repercussões negativas e irreparáveis que nossas crianças e adolescentes experimentaram durante este longo período de fechamento das escolas em virtude da pandemia da Covid-19.

Os prejuízos vão além do impacto no aprendizado, cognição e desenvolvimento psicossocial. O isolamento social provoca desordens comportamentais evidentes, com aumento dos casos de ansiedade e depressão. A obesidade em crianças e adolescentes também aumentou.

Ainda, a escola é um local de acolhimento e inclusão social, principalmente para aquelas crianças com algum transtorno clínico, como dislexia, ou transtornos de espectro autista, dentre tantos outros.

Envolvem também questões nutricionais e sociais. Para muitas crianças e adolescentes que vivem em vulnerabilidade social, a escola é o local onde recebem a melhor, ou talvez a única, refeição diária. Também é seu ponto de apoio e segurança contra maus-tratos (abuso infantil e violência doméstica), aliciamento para consumo de drogas e entorpecentes, trabalho infantil, sem falar na aliciação para a prostituição e a criminalidade.

Em síntese, mais do que um problema educacional, é um grave problema de saúde pública!

O Brasil está entre os países com maior período de fechamento de escolas. Infelizmente, o Rio Grande do Sul figura entre os estados com maior tempo de restrição às atividades educacionais presenciais no território nacional. Inúmeras evidências recomendam que as escolas deveriam ser as últimas a fechar, nos casos em que restrições extremas se fazem necessárias, e as primeiras a abrir, ao iniciarem as flexibilizações.

Porém, essa retomada precisa ser feita de forma responsável, seguindo todos os protocolos sanitários preconizados e de forma gradual. Também sem obrigatoriedade, respeitando a realidade familiar individual.

A identificação de um cenário epidemiológico favorável, com redução sustentada no número de casos incidentes de infecções por SARS-CoV-2 e a demanda decrescente de leitos de enfermarias e leitos de UTIs, é o desejável para iniciar progressivamente essa retomada.

Obviamente existem pontos polêmicos a serem definidos, mas o fomento à discussão é necessário. A AMRIGS se coloca à disposição para mediar um amplo debate sobre o assunto, envolvendo todos os interessados, abrindo seus canais de comunicação para avançarmos na solução deste problema. A relevância do tema nos faz lembrar que temos a responsabilidade com a proteção do futuro das nossas crianças e adolescentes e sua inserção plena na sociedade.

Porto Alegre, 15 de abril de 2021.

Dr. Ricardo Moreira Martins
Diretor de Exercício Profissional da AMRIGS

Dr. Gerson Junqueira Jr.
Presidente da AMRIGS



Todas Notícias