Notícias

21/10/2021 - Vida de Médico | Dr. Flavio José Kanter



O Vida de Médico conta a história de Flavio José Kanter, que estudou Medicina na UFRGS de 1964 a 69. Durante o curso, se interessou por psiquiatria. Fez estágios de férias na Enfermaria 38 da Santa Casa, Serviço do Professor Eduardo Faraco, Era uma enfermaria de Medicina Interna, com forte ênfase em Cardiologia. Decidiu que para ser psiquiatra precisava adquirir competência em clínica no período de graduação uma vez que na sua visão, psiquiatria iria aprender no curso e na residência.

“No sexto ano era paciente do Dr. David Zimmermann em terapia de grupo. Ele era o coordenador do curso de Psiquiatria da UFRGS, ao qual eu pretendia me candidatar. Ele alertou que para fazer o curso, deveria trocar de terapeuta, não conviria ser aluno e paciente ao mesmo tempo. O tormento que me causou essa opção durou poucas horas. Decidi seguir paciente do David (nunca me arrependi) e fazer residência em clínica. Reforçaria a base, me tornaria psiquiatra depois. Fiz a residência em 1970 e 71 na Enfermaria 38. Concluí com duas especialidades: Medicina Interna e Cardiologia.

Quando foi criado o Curso de Psiquiatria na Fundação Mario Martins eu, já ex-paciente do David, dei aulas. Perguntei a ele se agora poderia fazer o curso, ele respondeu que sim. E sugeriu que eu pensasse, psiquiatra eu seria mais um, clínico com minha visão do conjunto da pessoa me tornava diferente. Continuo clínico e gosto muito do que faço.

Meu filho Emmanuel se tornou psiquiatra, Fez a formação quando o David já havia falecido, na Mario Martins, no curso criado pelo David. Acompanho suas conquistas, muitas vezes eletrizado, sempre com orgulho. Agora o ciclo se fecha, eu me completo admirando o que ele faz". 

O Livro “Bom Dia, com um Sorriso”

"Quando me aproximava dos quarenta anos de graduação em Medicina, senti que poderia compartilhar experiência e reflexões sobre o trabalho médico, o ensino da medicina, administrar saúde. Comecei a escrever e integrar tudo isso. Artigos foram publicados na Zero Hora, no Blog da Federação Israelita do Rio Grande do Sul, em alguns outros espaços. Completei cinquenta anos de formado havia publicado mais de cem textos, suficientes para reunir num livro.

Esta coletânea tem origem em dois movimentos que se somam: o interno, eu querendo publicar um conjunto desses artigos, e o externo, de familiares, amigos, colegas, pacientes, que há tempos perguntam quando vou publicar o livro.

Em 2020, veio a pandemia e seu impacto. Para reduzir riscos, deixei de ir a hospital. Restringi o trabalho ao consultório. No início senti frustração, pela Esta coletânea tem origem em dois movimentos que se somam: o interno, primeira vez em cinquenta anos de profissão me via com tempo livre. Lembrei os ensinamentos de Victor Frankl, que identificou em campos de concentração que os que sobreviviam mais eram os que encontravam sentido para suas vidas. Ele mesmo escreveu mentalmente livros e conferências enquanto prisioneiro. Trabalhar neste livro poderia dar sentido a minha vida neste período imprevisto, lidando com o desconhecido, incertezas, frustrações, controvérsias, acontecimentos jamais imaginados. Eu, em idade de risco, fui rigoroso para me proteger do covid 19.

Trabalhei com muito gosto, reunindo mais de cem textos. O novo desafio era escolher quais seriam publicados, agrupar por assuntos, ordená-los. O jornalista Clovis Malta, desinteressadamente, se dispôs a essa tarefa. Fez um trabalho exemplar: leu, agrupou, sugeriu quais publicar e em que seqüência.

Os textos contemplam o relacionamento empático entre pessoas, com clientes e colegas. Há idéias sobre atitude frente à doença, o envelhecer, a morte, a tecnologia como instrumento coadjuvante, mas não substituta da relação entre as pessoas e seus médicos, de olho no olho. Finaliza com o agradecimento ao que o exercício da medicina tem me proporcionado nestas cinco décadas. Este livro é mais uma dádiva que a medicina me proporcionou". 

Flavio José Kanter

Fonte: Marcelo Matusiak
Foto: AMRIGS



Todas Notícias