AMRIGS - Associação Médica do Rio Grande do Sul
    
 
Área do Associado



 


 

 
   
 

Procedimentos dermatológicos auxiliam no tratamento do câncer de mama

Tecnologias são utilizadas como recursos terapêuticos em casos de cicatrizes e radiodermite crônica

A cirurgia de reconstrução mamária e a radioterapia, procedimentos do tratamento do câncer de mama, também exigem cuidados dermatológicos. No primeiro caso, com relação às cicatrizes resultantes do procedimento cirúrgico e, no segundo, às reações e desconfortos que a pele pode apresentar devido a radiação. Em ambos os casos, o acompanhamento de um médico especialista em dermatologia é fundamental para garantir o bem-estar da paciente.

- É importante que a avaliação do dermatologista ocorra nas primeiras semanas após a cirurgia, depois da retirada dos pontos. Na consulta, as cicatrizes são examinadas e classificadas, indicando o tratamento adequado. Já nas pacientes que passaram pela radioterapia é muito comum a ocorrência de radiodermite, o que torna a pele da mama mais frágil – explica a vice-presidente da Sociedade Brasileira de Dermatologia – Secção RS (SBD-RS), Taciana de Oliveira Dal'Forno Dini.

As novas tecnologias disponíveis para os tratamentos dermatológicos também são importantes na melhora do aspecto estético das cicatrizes, conforme destaca Taciana. As mais utilizadas são o laser fracionado ablativo e não ablativo, a luz intensa pulsada e o microagulhamento. A técnica cirúrgica da Subcision(colocar aqui sobrescrito o R de marca registrada) também pode ser utilizada para os casos que as cicatrizes possuem retrações. Os procedimentos ainda melhoram a alteração de cor das cicatrizes, que podem apresentar-se muito claras, avermelhadas ou muito escuras.

À paciente também cabe seguir as recomendações médicas, como diminuir a tensão nas cicatrizes, evitando a extensão da pele por até 6 meses, não se expor ao sol para evitar o surgimento de manchas mais escuras, usar os tratamentos prescritos pelo dermatologista e realizar os tratamentos propostos, quando possível.

Já a radioterapia é mais tolerada pela paciente, de acordo com Taciana, sendo que em algumas delas, pode causar vermelhidão e descamação da região nas semanas seguintes ao tratamento. Para aliviar estes sintomas, hidratantes adequados podem ser utilizados diariamente.

- Durante o tratamento, com as sucessivas aplicações, as pacientes podem sentir desconforto cutâneo no campo tratado e também uma descamação maior com formação de crostas, que dura poucas semanas. Os efeitos tardios, conhecidos como a radiodermite crônica, geralmente surgem após meses ou anos do tratamento através da dilatação de vasos, atrofia da pele e alterações na pigmentação – complementa a vice-presidente da SBD-RS.

Assim como no caso das cicatrizes, o tratamento da radiodermite crônica deve ser avaliado e planejado individualmente para cada caso. Taciana Dal’Forno Dini destaca, ainda, que quanto mais cedo a procura pelo médico, melhores são os resultados, tanto estéticos quanto funcionais.

Em setembro, a SBD-RS, em parceria com a Sociedade Brasileira de Mastologia – RS (SBM-RS) e a Sociedade Brasileira de Urologia – Secção RS (SBU-RS) lançou a campanha “Todos Unidos Contra o Câncer”, como forma de apoiar a iniciativa do Outubro Rosa.

Fonte: Francine Malessa/PlayPress
Fotos: Marcelo Matusiak
Data: 17/10/17      Atualizada em: 17/10/17
Tags: dermatologia , câncer de mama , tratamento ,









 
ARTIGOS

A fragilidade da democracia da República do Brasil
Dr. Albino Julio Sciesleski
Conscientização e prevenção sobre a Doença Falciforme
Dr. Alfredo Floro Cantalice Neto
Em defesa do plano de carreira no setor público
Dr. Alfredo Floro Cantalice Neto
Ver Todas
JORNAL AMRIGS

Ver Todas
REVISTA DA AMRIGS

Ver Todas
AMRIGS NA MIDIA

Ver Todas